Portugal regista um défice de 50 mil postos de trabalho no sector do Turismo

por: António Manuel Teixeira
Portugal regista um défice de 50 mil postos de trabalho no sector do Turismo
O Turismo.PT

Uma nova análise da falta de pessoal efectuada pelo Conselho Mundial das Viagens e Turismo (WTTC) revelou um défice de recuros humanos em Portugal, com quase 50 mil postos de trabalho, a nível nacional, por preencher.

A investigação analisou a escassez de trabalhadores em Portugal e noutros grandes destinos como os EUA, França, Espanha, Reino Unido, e Itália.

Os dados mostram que Portugal deve registar um défice de 49 mil trabalhadores no terceiro trimestre de 2022, com uma em cada 10 vagas a permanecer por preencher este ano.

Em 2019, mais de 485 mil pessoas estavam empregadas no sector das viagens e turismo em Portugal. Mas em 2020, registou-se uma perda de mais de 80.000 postos de trabalho.

Portugal assistiu ao início da recuperação no ano seguinte, com uma subida de 32,6% na contribuição do sector para a economia nacional. No entanto, a falta de recuros humanos tem sido predominante no país, com milhares de vagas por preencher, colocando o sector ainda sob pressão.

A análise do WTTC mostra que a indústria hoteleira nacional deverá ser a mais afectada, uma vez que se prevê que tanto os segmentos da hotelaria como o da alimentação e bebidas venham a ter 13% (cerca de uma em cada sete) e 12% (cerca de uma em cada oito) das vagas por preencher, respectivamente.

Julia Simpson, Presidente e Directora Executiva da WTTC, afirmou:

"O futuro das Viagens e Turismo em Portugal afigura-se brilhante, e a fim de assegurar uma recuperação total da economia e do sector, é necessário preencher estas vagas para garantir que Portugal possa satisfazer a tão esperada procura dos viajantes".

A 29 de Julho, a WTTC revelou que 1,2 milhões de empregos no sector das viagens e turismo em toda a União Europeia continuarão por preencher, sendo as áreas de actividade mais afectadas a hotelaria, aviação comercial e agências de viagens. Segundo este organismo global do turismo, é necessário que em cada destino sejam implementadas as medidas que sugeriu, e que foram referidas no artigo da Confederação do Turismo de Portugal, considerando que com estas medidas, as empresas de viagens e turismo serão capazes de atrair mais trabalhadores.

Desta forma, o sector poderá, por sua vez, satisfazer a crescente procura dos consumidores e acelerar ainda mais a recuperação do turismo, que constitui a trave-mestra para a criação de bem-estar económico em todo o país.

Fonte: Confederação mdo Turismo de Portugal, citando a WTCC.

RIU Hotels & Resorts

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade